Categoria: ORTOPEDIA

ESPECIALIDADES

O joelho é uma articulação composta pela extremidade distal do fêmur, extremidade proximal da tíbia e pela patela.

Possui uma estrutura anatômica composta por sua configuração óssea por meniscos, por ligamentos, cápsula articular e arcabouço muscular, que na sua plenitude garantem a estabilidade para absorver, transmitir e redirecionar forças no membro inferior. Os ligamentos cruzado anterior, cruzado posterior, colateral medial e colateral lateral são os responsáveis pela estabilização da translação anterior e posterior, angulação vara e valga e rotação interna e externa do joelho. As opções de tratamento das lesões da articulação do joelho são escolhidas com base na localização, idade, tipo e gravidade da lesão, condição de saúde e nível de atividade do paciente, podendo muitas vezes o tratamento cirúrgico não ser a melhor escolha para aquele paciente.

O ombro é a articulação de maior mobilidade do corpo humano, como consequência, uma das mais vulneráveis.

Possui uma estrutura anatômica complexa composta por três articulações (glenoumeral, acromioclavicular e esternoclavicular), por três sistemas osteotenomioligamentares de deslizamento (subacromial, umerobicipital e escapulotorácico). A integridade e funcionalidade dessas estruturas é fundamental para ação conjunta do braço e antebraço, cuja a finalidade é dar à mão amplitude de movimento tridimensional. Além dessa importante função, o ombro participa, com o restante do membro superior livre, dos mecanismos de equilíbrio e propulsão do corpo como um todo.

Com pequena estabilidade estática e grande estabilidade dinâmica, o ombro depende da ação integrada das estruturas anatômicas, que garantem a firme justaposição da cabeça do úmero à cavidade glenoidal, feita pela cápsula articular, pelos ligamentos, pela ação do manguito rotador e  pelo cabo longo do bíceps braquial.

A proximidade entre as estruturas mencionadas e a complexa mobilidade articular do ombro faz com que elas possam ser lesadas isoladas ou em conjunto, sendo difícil o diagnóstico e localização exata das lesões, sendo essencial o conhecimento detalhado da anatomia, biomecânica do ombro e cotovelo, do exame físico e das patologias da cintura escapular, para entender as queixas, diagnosticar e tratar com sucesso as patologias e traumas que acometem essa articulação.

Medicina Esportiva é a especialidade médica que inclui segmentos teóricos e práticos da medicina com o objetivo de investigar a influência do exercício, do treinamento e do esporte sobre as pessoas sadias ou doentes, com a finalidade de prevenir, tratar e reabilitar.

O objetivo é avaliar e acompanhar os praticantes de atividade físico-desportiva antes, durante e após a prática. Está direcionada não só a atletas de alto nível mas, também, pessoas não atletas que procuram utilizar a atividade física como meio de melhorar sua saúde.

ORTOPEDIA ESPORTIVA

Ortopedia é a área da medicina especializada na prevenção e tratamento de lesões e traumas.

O ortopedista realiza avaliação, acompanhamento e prevenção de lesões no atleta e esportista profissional, amador ou eventual e também em não atletas. É papel fundamental do ortopedista tratar de lesão clinica ou cirúrgica, além de orientar e acompanhar a reabilitação para o retorno ao esporte e as atividades habituais.

Pacientes com lesões e doenças pré-existentes podem praticar atividade física sob a orientação médica. Para isso devem realizar avaliação pré-prática esportiva com o objetivo de investigar possíveis riscos de eventos cardiovasculares com a prática inadequada de atividade física. Após a investigação e identificação de fatores de risco, serão orientados para a prática da atividade física com intensidades mais adequadas à suas condições.Segundo o Colégio Americano de Medicina Esportiva e a Sociedade Americana de Cardiologistas, a atividade física moderada melhora a função cardiorrespiratória em pessoas sedentárias, assim como diminui o risco de infarto e acidentes vasculares cerebrais.

Para os idosos a atividade mais recomendada é o exercício funcional que melhora a habilidade motora, coordenação, equilíbrio e agilidade. Deve ser realizado 2 a 3 vezes por semana e têm como exemplo o Tai Chi, a Yoga, o Pilates e a Musculação.

Esses exercícios ajudam a prevenir quedas e lesões nos idosos, mas são ideais para todas as idades e tipos de treinamentos. São também os mais utilizados pelos grandes atletas da natação e atletismo americanos, fazendo parte de seu treinamento de força e resistência.

Por fim, para pessoas com problemas posturais, exercícios aeróbicos em aparelhos elípticos e pilates são importantes para prevenção da dor e sua recorrência. Esses exercícios aliados à ginástica postural são utilizados como manutenção do tratamento com RPG e fisioterapia postural. Vale lembrar que o fortalecimento da musculatura paravertebral, abdominal e pelve que estabilizam o centro de gravidade do corpo, o CORE. Esse tipo de exercício, além de prevenir lombalgias e ajudar a manter a boa postura, também permite a estabilização dinâmica e estática do corpo, melhora a coordenação motora e previne lesões.

Essa é outra modalidade esportiva utilizada por atletas olímpicos de diversas modalidades como treinamento para melhorar o desempenho e manutenção da força de diversos grupos musculares, evitando lesões.